Archive for the 'Aviação' Category

ALMOÇO DIA 15 DE SET 2010

Quarta-feira, 15 Setembro, 2010

Encontro espontâneo, promovido pelo FRAZÃO, de um dia para o outro e que serviu para nos encontrarmos com o Jesus que veio do RIO.

Durante a conversa e o almoço abordaram-se vários temas entre eles a viagem pela América do Sul do Frazão. Podem seguir o seu blog sobre esta viagem.

Este post serve para apresentar as fotos e vídeos feitos durante o almoço.

Estiveram presentes:

JESUS (O PILOTO)

TITO

MÁRIO FRAZÃO E FILHO

VITOR VIEGAS

TÓ GOMES

HELDER DIAS

CARLOS SOARES

VIEGAS

LOURENÇO

ALEGRIA

ANTÓNIO ROSA

MILHEIRO

O convívio durou até às 18:30 porque a partir desta hora já não temos autorização de sair e alguns ainda foram “trabalhar”

Agradecemos a todos a presença e ao FRAZÃO a grande oportunidade do convívio.

Foram relembrados os vivos e os que se ausentaram mais cedo por um qualquer motivo. Motivo esse que não obviou a lembrança.

Ver fotos em Almoço de Penduras a 15 de Set 2010

Ver vídeos em







Anúncios

Últimos Updates de um Pendura que ainda dura…

Quarta-feira, 29 Abril, 2009

Ready for Take OffCaros Penduras,
A minha prosa além de referenciar sempre o desejo de Felicidades para todos os Penduras e seus familiares, tem o objectivo de manter os meus amigos informados das minhas actividades e esperar que nos possamos reunir de novo em breve.
Aqui ficam as últimas, agora com actualizações diárias de vária ordem: Segue o meu Blog e Twitter
Através do blog entram directamente dentro do Twitter e Twitpic que poderão achar bastante interessante.
Já agora, estou pronto para fazer umas corridinhas por aí com a rapaziada…
satafleet

Marsupilamis (PE-2/82)

Segunda-feira, 19 Novembro, 2007

Na coluna dos links à esquerda entrou mais um Blog. Desta vez do PE-2/82 os Marsupilamis que nos contactaram para se darem a conhecer.

Assim se vai alargando esta forma de contacto dos Pilotaços e ex-Pilotaços.

Para eles um abraço.
Luís Novaes Tito (LNT)
Rastos:
Link
Site dos Penduras;
Link
Blog dos Marsupilamis.

E por fim as fotos em tom de filme…

Sábado, 2 Junho, 2007

Prometo não mandar mais nada para o blog deste encontro em Miranda do Corvo porque não há absolutamente mais nada para fazer se não a recordação. Para que não fiquemos tristes, vamos começar a organizar o próximo, mais económico e com mais quorum. Para isso necessito que me forneçam todos os emails de Penduras e Castiços que conheçam.

Um grande abraço do realizador Cubilhas.

C.Soares

E o filme de Miranda do Corvo

Quarta-feira, 30 Maio, 2007

Apesar de alguns monopolizarem um pouco as imagens, penso que todos ficaram no vídeo. Não houve muito tempo de preparação mas o importante, parece-me foi conseguido. Espero poder voltar a filmar toda a gente para o ano que vem. 


Podem ver filme do Encontro entre Penduras e Castiços

Aqui vai um abraço para todos do realizador: 

C.Soares

Aqui vai Slide Show Miranda do Corvo

Terça-feira, 29 Maio, 2007

Idade da reforma vs dignidade da classe de Pilotos

Sexta-feira, 23 Setembro, 2005

Independentemente das licenças de voo serem prolongadas até aos 65 anos de idade ou até utente ter saúde para voar, existe um problema mais premente e recente que é idade da reforma. O signatário deste artigo, numa fase embrionária assinou um documento com o intuito de dilatar a validade das licença de voo. O respectivo documento deu origem a um movimento. Pelo que já se leu sobre o assunto esse movimento evoluiu muito ruído e para fazer valer os seus interesses, actuou sem consultar as instituições ou as instituições não lhe deram o devido valor. Para o efeito, pouco interessa discutir isso. Esses tempos de querer que a licença vá para os 65 anos já não interessam. Os tempos que correm são perigosos demais para andarmos a brincar com coisas sérias.
Sempre se tem abordado o problema de uma forma hipócrita alegando que, o que era mesmo bom era poder-mos voar até aos 65 anos mas manter a idade da reforma aos 60 ou como foi referido na última Assembleia-Geral sobre o assunto, hipótese de reforma a partir dos 55 anos. O movimento auto denominado Pró-Reforma tem vindo a afirmar que este é o seu objectivo único e que de forma alguma quererá que a idade da reforma passe para os 65.
Estas discussões já longas, existem alguns diferendos de opinião entre os dois grupos em causa, grupos esses que incluem a totalidade dos elementos da classe, mas o que verdadeiramente está a ser discutido não será outra coisa que: Queres voar até aos 65, passarás à reforma aos 65. O movimento Pró-Reforma está a ir longe demais com os seus desígnios iniciais e não poderá garantir que os Governantes seguirão esta postura. Se isso acontecer, gostaria de saber que movimentos constituirão depois para manterem as actuais regras do jogo. Vão-nos obrigar a trabalhar mais 5 anos a troco de solidariedade por quem? Este movimento Pró-Reforma sempre alegou que só queria que as licenças de voo passassem para os 65 anos, logo, como as ditas licenças Jar-Fcl, já as podem utilizar algures na Europa. Em Portugal as coisas não vão ficar só pelas licenças e isso irá prejudicar quem não está interessado em trabalhar até morrer.
Da forma como se extremaram as coisas, não existem lirismos possíveis, se queremos continuar até aos 65 anos também teremos de nos reformar aos 65. Já todos nos apercebemos que a oportunidade política é bastante perigosa e só há uma coisa a fazer caso sejam alteradas as idades da reforma para os 65. Para isso, está o SPAC mandatado de uma maioria absoluta. Não poderemos fugir um centímetro deste objectivo, caso contrário iremos bipolarizar a classe levando-a para caminhos muito sinuosos.
Alega o dito movimento que poderemos continuar a voar para além dos 60 anos porque ainda temos condições de saúde suficientes para o fazer e que temos direito ao trabalho. No que concerne ás condições de saúde é bastante discutível mas se são assim tantas, aproveitem-nas para terem alguma qualidade de vida na velhice. Aceitem a velhice com um dom e não como uma moléstia. Não existe nada mais interessante, nessas idades, do que podermos acompanhar as metamorfoses da vida com simplicidade e orgulho do que fizemos ao longo dela. No que diz respeito ao direito ao trabalho, ninguém proíbe os pilotos de trabalharem após os 60 anos. Usem a licença de voo como bem quiserem, nos Países com essas regras de jogo.
As divergências dentro da classe de pilotos sobre este e outros assuntos, contrariamente a outras classes, devem-se basicamente pela falta de união motivada por alguns factores, tais como:
1) Formação Académica de base.
2) Tipo de Empresas onde trabalham.
3) Histórico da carreira.

FORMAÇÃO ACADÉMICA
Não consigo entender que em 2001 se possa tirar um curso de piloto de linha aérea após acabar o 12º ano. Um estudante, com a escolaridade mínima obrigatória dentro de 2 anos, fica cansado de estudar e pede ao pai ou ao banco 40.000 Euros, tira um curso de piloto de linha aérea. 12 a 18 meses depois entra numa companhia de aviação e começa a receber de vencimento 2500 a 4000 euros. Em simultâneo, os colegas que entraram para a Universidade terão de lá permanecer, no mínimo 4 a 6 anos. Estes cursos acelerados de pilotagem, fazem-me lembrar os cursos de regente agrícola. Antes do 25 de Abril, um estudante que terminava o 5ºano do liceu poderia enveredar pelo curso de regente agrícola durante dois anos e quando terminava o curso ia para uma quinta agrícola ou vender insecticidas. Depois do 25 de Abril, esses regentes agrícolas passaram a denominar-se Engenheiros Técnicos Agrários. A nossa classe está cheia de Engenheiros Técnicos Aéreos.
Este tipo de formação académica, exigível aos dias actuais, não nos atribui estatuto suficiente para discutirmos com políticos, gestores de empresas ou empresários o que quer que seja. Estamos há muitos anos a esta parte, a perder capacidade negocial, a trocar trabalho por meia dúzia de tostões e a reduzir até à exaustão as regalias outrora existentes. À sombra da competitividade temos vindo a vender os baluartes da profissão e isso deve-se à falta de união da classe e ao seu baixo nível de formação.
As empresas de Aviação estão a admitir para os seus quadros, pilotos com o 12º ano de escolaridade (em 2007 será escolaridade mínima obrigatória) enquanto que a NAV está a admitir para os cursos de controlador aéreo uma licenciatura com desempenho em matemática. Estes são os requisitos para a TAP: -Mínimo 12.° Ano de Escolaridade (Reconhecido pelo Ministério da Educação);-Domínio de Português e Inglês (escrito e falado);-Conhecimentos de informática na óptica do utilizador;
Estamos a utilizar a Tap como poderíamos utilizar outra empresa qualquer. Nenhuma delas exige mais do que acima referido.
Parece-nos haver alguma inversão de valores mas só nós, nos poderemos culpar disso. Não é em vão que os controladores aéreos se reformam aos 55 anos e se algo não lhes agrada, ninguém voa, mas eles só são controladores. Tenho todo o respeito pela profissão em causa e pena é que, não consigamos as mesmas regalias.

TIPO DE EMPRESAS
Existem grandes diferenças entre empresas de aviação em Portugal. Não se devem confundir as empresas com a qualidade dos seus pilotos e se são ou não melhores dependendo da empresa onde trabalham. Algumas mentes perversas poderão pensar que ganhando mais são melhores. Esta diferença entre empresas, só interessa nesta altura ser avaliada pelas regalias que dão aos seus pilotos. Os salários e regalias não são sequer parecidos fomentando assim alguma concorrência desleal no mercado. Temos assistido ao longo dos anos a alguma inveja escondida pelos que estão em piores situações mas nada tem sido feito para quebrar as diferenças. È evidente que o que está em causa é o sucesso das empresas e não a qualidade dos pilotos porque essa, só Deus sabe. Espero que num futuro muito próximo, as Empresas tenham mais honestidade no mercado, possam jogar com as mesmas regras e aumentem a formação dos seus quadros superiores exigindo formação superior. Quando todos nivelarmos por cima e falarmos a mesma linguagem, parece-me ser a altura indicada para sermos coesos e exigirmos em uníssono aquilo que queremos. De certeza que não será trabalhar mais e até mais tarde.
Todas as empresas, sejam elas públicas ou privadas, terão de repensar, se aceitam que os seus quadros superiores que à data contrataram até aos 60 anos, possam permanecer até aos 65 anos. Não poderão esquecer que todos aqueles subsídios de senioridade e diuturnidade aumentarão significativamente a carga salarial. A produtividade de um Comandante com 64 anos não poderá ser a mesma de um comandante de 35 anos. A predisposição para o trabalha terá que ser forçosamente diferente. A carga salarial de um piloto de 35 anos será muito semelhante a metade de um piloto de 60 anos dentro da mesma empresa. Se uma empresa poder pagar dez a um funcionário porque razão há-de defraudar os accionistas pagando 20. Como irá ser a gestão de tripulações nos voos para os Estados Unidos cujo senado acabou de recusar uma proposta para aumentar a validade das licenças para além dos 60?
Esperemos que as empresas deste País não enveredem por megalomanias de funcionários desprovidos de senso comum que os torna maus para si próprios. Tenho confiança que as empresas façam cumprir os contratos que assinaram com os seus colaboradores e não os deixem ficar ao serviço para lá dos 60 anos. Elas deviam criar um lobby para que o Governo não autorize os seus pilotos a passarem à reforma aos 65 anos.
HISTÓRICO DA CARREIRA
Sou bastante sensível ao passado de cada piloto, mas gostaria que também fossem sensíveis ao meu. Se analisarmos as intenções umbilicais de cada piloto para estes assuntos, decerto iremos encontrar mil e uma razão. Uns porque iniciaram a sua carreira contributiva tarde demais, outros porque andaram por fora e não sabiam que poderiam descontar para contagem de tempo, outros porque casaram pela quinta vez e têm filhos pequenos ainda na escola primária, outros porque ainda não casaram mas querem casar e depois precisam de mais dinheiro, outros porque têm uma reforma mas é pequena e não conseguem ter tempo para fazer outra reforma, outros ainda porque estiveram no desemprego até aos 40 anos e só vão ter 20 de descontos, outros porque estiveram no fim do mundo e lá não se usava pagar impostos, outros porque chegaram a pilotos aos 45 anos ou 50 e só agora é que começaram a descontar e a descobrir as coisa giras da aviação, outros porque são solidários com qualquer tipo de movimento e outros ainda porque são do contra. Não quero abordar o tema por aí porque as regras já estão definidas há muito tempo e todos deveriam ter pensado nisso quando decidiram entrar neste campeonato. Não me parece ser justo mudar as regras do jogo a meio, aliás como está na moda. Só que esta não é uma profissão qualquer e se a querem transformar nisso então não contem comigo.

CONCLUSÃO
Como diria um amigo meu ? temos de contar as espingardas. Está na altura decisiva para sabermos o que queremos. O signatário, que nunca deixou que outros falassem por si, vem publicamente definir a sua posição:
Respeitar na íntegra o que foi decidido na Assembleia-geral de Pilotos sobre a matéria e reforçar essa decisão. Não existem meios-termos neste momento, quem não é a meu favor é contra mim. O tempo da conversa mole sobre o assunto terminou.
Carlos Soares

Old Falcons Never Die…

Segunda-feira, 13 Dezembro, 2004

Old Falcons Never Die…

E porque o assunto diz respeito ao Comando da BA1, que proporcionou o nosso almoço dos 30 anos, aqui vai uma repetição do artigo publicado no kritycus.
“Foi com alguma amargura que vi partir mais um Falcão. Durante todos estes anos de vida profissional, tenho assistido a vários momentos destes. Por vezes, e devido às circunstâncias, entendi essas partidas de Falcões com mais facilidade do que agora, após todos estes anos de profissão.
Refiro-me ao falecimento de um piloto, de quem era amigo, o Coronel Piloto Aviador Ramiro, Comandante da BA1. Terminou os seus dias a voar.
Não é presumivelmente o momento para discutir o motivo pelo qual o acidente ocorreu. Os acidentes acontecem e as causas serão analisadas por quem de direito. Deixemos isso para as autoridades competentes. Agora, vai sendo tempo de alguém perguntar pela responsabilidade deste tipo de acidentes. Ao longo dos anos, têm vindo a ocorrer fatalidades deste género e para mim só existe um responsável por estes acidentes – O Sr. Ministro da Defesa em vigor à altura dos respectivos acidentes.
Todos sabemos a dificuldade de Orçamentos com que vivem as Forças Armadas. Certamente que a FAP também terá as suas dificuldades e provavelmente os seus pilotos não voarão assim tanto como seria desejável de forma a terem proficiência nos meios que operam. Não pretendo atribuir algum tipo de culpa a ninguém mas sim responsabilidade e essa cai sobre a primeira e última entidade: Ministro da Defesa.
Alguém faz algum tipo de inquérito responsável sobre este tipo de acidentes? Alguém tem a coragem de parar esta matança injustificada? Alguém se preocupa com a vida humana que opera meios cujo treino é inexistente? Não seria tempo de regulamentar estes voos que são feitos por pilotos cuja proficiência não é a necessária? Será que toda a gente se esqueceu daquilo que aprendeu quando iniciou a profissão? Terão os pilotos de continuar a voar para passarem no dia dos festivais, numa determinada hora e num determinado sítio, onde existe um palco recheado de políticos sentados, a olharem para o céu, de boca aberta a verem passar os seus aviões? Querem entretém, regulamentem esse tipo de entretém, mas tenham a consciência que, quem vai dentro dos aviões, merece respeito pela actividade e merece que lhe proporcionem o treino devido. Não vamos entrar muito mais por diante neste tipo de assuntos por nunca mais terminaria este tipo de queixas. Na despedida final, reencontrei vários companheiros que não via há muito tempo e que continuam quase na mesma mas com muitos mais galões e estrelas. Um deles, o Chefe, continua exactamente na mesma, com toda a sua dignidade e respeito pelo próximo e com todo o carisma de líder. Bem-haja um profissional desta estirpe.

… Just Fade Away.

Carlos Soares

Walkarounds

Domingo, 8 Fevereiro, 2004

Walkarounds

Caro Luís,
você tem aí um grande site!
Os Penduras deverão estar orgulhosos do seu trabalho. Está cinco estrelas!
Parabéns.
Um abraço,
Nuno Manuel Marques Martins

Walkarounds – História da Aviação Militar Portuguesa
URL: http://walkarounds.home.sapo.pt
Email: walkarounds@clix.pt

Brasões da FAP

Domingo, 12 Outubro, 2003

Como vai o “Ganda Tito”?!
Tudo bem contigo? Então faz o favor de ser feliz neste grande país governado por gente pequena, como disse o poeta: gente fraca torna fraca a forte gente.
Mas não é para lamúrias que aqui estou.
Soubeste que houve um jantar em que se juntaram alguns de nós? Pede ao Jesus que envie as fotos do evento.
Da minha parte estive a digitalizar brazões (cada louco tem a sua pancada) da FAP para o site só que o conjunto, zipado, tem 18,6 kb – posso enviar pela Net?
Eu não tenho problema, se houver faço-os chegar em CD – creio que seria mais um enriquecimento.
Estive a ver o site da FA (emfa.pt) e têm lá as diversas divisas e galões, como começaste a colocar nos Penduras…
Creio que o Mário Frazão está a tratar do almoço comemorativo da nossa incorporação, seria conveniente tentar localizar os “perdidos” mas não sei como.
Se tiveres alguma idéia e eu possa ajudar diz alguma coisa.
Um abração
Max

Mais um Update ao Walkarounds

Domingo, 15 Junho, 2003

Site onde se adicionou mais um í­cone à página dos Alpha Jet e um extracto de uma Obra Literária que dispensa apresentações, bastante esclarecedor sobre a aquisição dos T-6 a França.
Isto na secção de Armamento da página sobre estes aparelhos.
Nuno Manuel Marques Martins

Walkarounds – História da Aviação Militar Portuguesa
URL: http://walkarounds.home.sapo.pt
Email: walkarounds@clix.pt